A maskne só requer cuidados

Antes de mais nada, usem máscara. Pode parecer controverso, mas na real é bem simples. A unanimidade entre os especialistas em saúde é: máscaras salvam. Um estudo publicado no prestigiado periódico de saúde, The Lancet, diz que o uso de máscara facial reduz em 14,3 pontos percentuais o risco de contágio, passando de 17,4% sem a proteção para 3,1% com o acessório.

Posto isso, podemos dizer que há, sim, cuidados extras que devemos ter ao portar a máscara com tanta frequência e por longos períodos. O termo maskne começou a aparecer para explicar o aumento da incidência de acne ao usar máscara. Dermatologistas dizem que o aparecimento de espinhas e cravos pode ser agravado com atrito, calor e abafamento, uma vez que as glândulas sebáceas aumentem a oleosidade da pele onde a máscara cobre.

Como parte da nossa nova rotina inquestionável, a máscara não pode se tornar vilã. Especialistas contam que maskne é mais fácil de ser curada do que a acne comum porque não é determinada por predisposição genética ou fatores hormonais. Lavar o rosto duas vezes ao dia, de manhã e à noite, e usar hidratante e protetor solar específicos para peles acneicas devem bastar.

Mais do que nunca, esse momento chegou para nos aproximar da cultura do cuidado. Cuidar do próximo, proteger quem está ao nosso redor, e cuidar de nós mesmos.